sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Paulão da Geral, líder da Geral do Grêmio

Por Celso Augusto Uequed Pitol
O cidadão Paulo Ricardo Saldanha talvez não seja conhecido dos leitores. Trata-se apenas de mais um canoense, morador do bairro Rio Branco e freqüentador da Paróquia Imaculada , que tem um hobby bastante comum: o futebol. Torcedor fervoroso do Grêmio, Paulo Ricardo Saldanha não perde um jogo no Olímpico e acompanha a equipe aonde ela vai, juntando-se à fanática massa torcedora do Tricolor pelos estádios deste Brasil. Quando adentra os portões do estádio, porém, o cidadão canoense Paulo Ricardo Saldanha sofre uma transformação. Deixa de ser mais um morador de Canoas e da Rio Branco para transformar-se numa das figuras mais conhecidas de quem acompanha o futebol no Rio Grande do Sul: o Paulão da Geral. Aos 49 anos, Paulão é uma lenda viva: segundo ele, há quem pense que se trata de uma figura virtual, tantas são as histórias que cercam seu nome e a fundação da Geral do Grêmio, talvez a mais importante, influente e inovadora torcida que já surgiu no futebol brasileiro, fruto de uma mescla inteligentíssima entre os estilos brasileiro e hispano-americano (e não somente platino, como alguns crêem) de apoiar o time. Paulão está ciente disso e, como veremos a seguir, acha que a Geral, conhecida pelo mote “amizade, trago e alento”, não pode se limitar a ser apenas um grupo de fanáticos: pode, sim, ser uma força viva e atuante dentro do Grêmio, capaz de ajudar em situações difíceis como as que o clube ora vive. E faz uma revelação que diz muito aos leitores de nosso jornal: a de a Geral do Grêmio  nasceu em Canoas.
Tu és natural de Canoas?
Paulão da Geral: Eu nasci em 1961 e morei em Porto Alegre até os oito anos. Então vim para cá e morei no Bairro Fátima por nove anos. Aí na época da copa de 1974 eu fui para o Rio Branco, onde estou até hoje. E sempre fui gremista. Mas eu não ia a estádio, não era fanático. Lembro que na época em que eu estudava tinha 10 gremistas e uns 35 colorados na minha sala no colégio. O Inter tinha um timaço, foi tri campeão do Brasil, octacampeão gaúcho, era espetacular. Até que 1977 o André Catimba arrebentou a correia da bicicleta e fez o gol. Eu lembro daquele time de cabeça.
Aquele time de 1977 era mítico. Não só porque era um time muito bom – tinha jogadores como Ancheta, Éder, Tarciso, Alcindo, Tadeu Ricci, André Catimba – mas também por esse detalhe, da conquista do título em cima da melhor equipe que o Inter já teve….
PG: Tinha o Iura, que corria todo o campo e marcava o Falcão. Ele é o tipo de jogador que nem tem hoje, ele beijava o distintivo com paixão de verdade. O que mais me marcou era que o Inter era um time muito bom, tenho que reconhecer, e nós ganhamos deles. Lembro que o jogador que eu mais odiava era o Escurinho. Ele entrava aos 40 do 2º. tempo e fazia um gol. Mas aí nós colocamos o time sob as ordens do Tele Santana, que foi um dos melhores treinadores que já teve no Brasil. Não foi o melhor porque teve  o Ênio Andrade, que pegava o time da minha rua e fazia ser campeão (risos). Era o famoso “cabeça”. Mas o Telê fazia as jogadas ensaiadas, o time era todo arrumado. Tivemos também o Oberdan, que era, como dizia o Ratinho, tinha “café no bule”. Quando chegou, disse: “o Escurinho não cabeceia mais na minha área, e não cabeceou mais”. O time tinha sangue e hoje, sinceramente, é o que está faltando.
Já ias ao estádio nessa época?
PG: Sim. Na primeira vez, fui com uns primos colorados que trabalhavam em Porto Alegre e,  por uma ironia do destino, fui na coréia do Beira Rio. Fui assistir o jogo da seleção do Cláudio Coutinho contra a seleção gaúcha, que foi 3 a 3. Depois eu fui num Grêmio e Vasco, quando o Olímpico ainda não tinha essa parte de cima coberta, construída pelo dr. Hélio Dourado. Foram as minhas “estréias” em estádio.
Quando começaste a participar de torcidas organizadas?
PG: Entrar em torcida, só entrei no fim da década de 80. Eu fui entrar até bem tarde lá, mas já vivia muito o Grêmio. Eu trabalhava na Liquigás lá na Rio Branco e eu conheci um rapaz, o Mário, que era da Jovem e me convidou pra ir. Ele disse “Paulão, tu gostas de ir a jogo, então entra na torcida, ganhas uns descontos, vale mais a pena”. Aí entrei e  aquilo virou uma enfermidade. Aí em 2000 nós saímos , eu e mais uns 11 caras , a maioria de Canoas, e formamos a Geral. A base era daqui.
Qual foi o primeiro jogo da Geral?
PG: Bem, foi um processo. A gente teve uma discussão. Eu já tinha uns 30 anos e não queria mais entrar com o Tazmania nas costas e cantar música pro Trensurb, “o terror do trem”. Pô, eu já tava quase avô! (risos). Mas eu não conseguia ficar sentado em casa, também. Aí achei que a gente podia retomar algo dos argentinos, porque, querendo ou não, somos vizinhos, né?. Foi na época do Primeiro Fórum Social Mundial em Porto Alegre. Eu e uns camaradas conhecemos uns argentinos , tomamos uns mates doces, comemos uma carne assada e convidamos a ir para o jogo contra o Atlético Mineiro. Fizemos o primeiro Mercosul da arquibanca, tinha gente do Chile, argentina, tudo. Mas a base era daqui mesmo, de Canoas. Quem começou foram 11 , 12 caras daqui. Um que trabalhava na San Marino, outro que o pai dele era dono da Mosqueteiro, foi morar em Torres e tem dois em Novo Hamburgo, aí ficou eu, o Alemão, o Fabiano, o Leandro e um ou outro. Mas tinha cara que achava que eu era lenda, que eu era virtual. Eu nem sou muito de ficar no foco, mas não sou virtual (risos).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário