sexta-feira, 1 de outubro de 2010

parte 2 da entrevista , Paulão da Geral, líder da Geral do Grêmio


E qual foi a opinião destes argentinos, chilenos e uruguaios que assistiram aos jogos?
PG: Espetacular, acharam legal. Eles viram que no Brasil cantavam as musicas deles e achavam o máximo. Aí um pessoal de Porto Alegre começou a chamar de “Alma Castelhana”, mas a gente nunca chamou disso, não tínhamos nome e não chamávamos de Geral. Quem começou foi a imprensa. Depois, conforme a gente começou a cantar, começou a aparecer um uruguaio que morava em Porto Alegre, um argentino que ficava de passagem e cantava em portunhol, e a gente teve que fazer trabalho pra aportuguesar a música. Eu moro no Brasil, tenho que cantar em português. No inicio foi brabo para entrar com bumbo, faixa, mas acabamos conseguindo.
Como apareceu o nome “Geral do Grêmio”?
PG: Um dia na reunião do BOE, com o coronel Pacheco, tinha reunião com os colorados e os gremistas , e ele perguntou afinal qual o nome dessa torcida e eu pensei na promoção da Pizza Hut que tinha naquela época,que dava ingresso para a Geral. Aí pensei a gente vai na Geral, e vai em proveito do Grêmio, então eu disse: Geral do Grêmio!
Foi naquele momento?
PG: Foi, sim. Surgiu na hora. Mas a gente sofreu problemas. A diretoria, as próprias organizadas começaram a ver a gente como ameaça. E eu acho que é momento da Geral participar mais da vida do clube, nós não podemos ficar só no “amizade, trago e alento”. Porque eu acho que é o maior movimento popular que surgiu no RS nos últimos anos. Eu vejo a Geral como o grande maestro do Olímpico.
E começou espontaneamente….
PG: Mas se tu pegares a torcida do grêmio na década de 70 tu vais ver o ímpeto, a cantoria, mas não tinha essa organização que tem hoje. O torcedor do Grêmio tem um “tchan” diferente, não que o do Inter não tenha, mas a gente tem outra coisa diferente. O Grêmio tem uma identidade forte, copeira. Tinha, né? Porque hoje…
Tu não estás contente com a atual administração?
PG: É só olhar hoje na tabela. O Grêmio ‘tá na ponta de baixo. A gente ganhou o campeonato gaucho para encher lingüiça. Aí vou dizer que fui campeão da Copa da Amizade contra o Nacional. Acha que nos vamos ir longe assim? Eu acho que não tem pulso. Acho que o nosso presidente não está indo bem. Eu acho que o maior patrimônio de um clube é a sua torcida, mas a torcida não está tendo nem respeito. Sabe quantas vezes a gente conseguiu que o Duda Kroeff falasse conosco? Nenhuma. O Grêmio tem jogado mal, tem feito uma campanha horrível, tens visto alguma briga? A Geral é comportada, a gente quer apenas respeito conosco e que deixe entrar o material  para torcer. O presidente não escuta a torcida, não respeita.
Acha que as administrações anteriores respeitavam mais a Geral?
PG: O presidente Guerreiro, graças a uma intervenção do sr. Denis Abraão, nos deu um apoio. Depois, teve o seu Obino e ele  lavava as mãos. Quem realmente interagiu conosco e botou normas e disciplina, nos escutou e viu coisas que a gente trouxe de bom foi o sr. Paulo Odone. Ele é uma pessoa democrática. Se ele voltar, vai ter apoio de todo mundo.
Falaste que há uma inspiração nas torcidas castelhanas. Como começou?
PG: Lembra das primeiras Libertadores que o Grêmio foi jogar? Até hoje, tu vês um jogo na Argentina, no Uruguai, e vês a paixão que eles têm. A nossa torcida não cantava  todo o tempo, éramos espectadores, o estádio não fazia diferença. A gente tem que ser torcedor e não espectador. Agora, eu sou brasileiro, quero que ganhe da Argentina sempre – apesar de não morrer de amores pela seleção, principalmente quando vai um dos queridos da Branca de Neve treinar (risos) – mas eu respeito muito a seleção deles, a raça deles, assim como do Uruguai, a torcida deles. A Geral mudou o contexto no Brasil. Já fui para a Argentina e Uruguai várias vezes, já fui assistir jogo do Racing. Eu adoro o Racing. A torcida deles é maravilhosa.
As torcidas deles conhecem a Geral?
PG: Eles conhecem, sim, gostam. Eu até já dei entrevista lá. Hoje tem uma turma do Almagro que tem a mesma camisa do Grêmio. Eu até estou querendo entabular com a diretoria do Grêmio o seguinte: o Almagro faz cem anos no mês de janeiro de 2011 e eles querem o Grêmio lá para fazer um jogo com eles. Seria bonito. Estou trabalhando nisso.
O Grêmio é muito respeitado na America Latina?
PG: O Grêmio é muito grande, cara. Tu dás uma volta para a Argentina e todos te reconhecem. A gente tinha até uma amizade com a torcida do Boca até a final da Libertadores, quando deu aquele quebra-quebra….
OT: Existia mesmo aquela amizade de que tantos falavam?
PG: Sim, eu tenho um livro da La 12 assinado pelo chefe da La 12 (risos). Eu até hoje tenho meus amigos, mas não com a torcida. O Nacional, o Almagro, esses são nossos amigos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário